ENTREVISTA DE SUZANE RICHTHOFEN NO PROGRAMA DO GUGU GERA BRIGA E REVOLTA NA RECORD

ENTREVISTA DE SUZANE RICHTHOFEN NO PROGRAMA DO GUGU GERA BRIGA E REVOLTA NA RECORD

Gugu Liberato reestreia hoje (25) na Record, mas o clima nos bastidores não é de festa. É de guerra. A produção do programa está revoltada com o departamento de jornalismo da emissora, que resolveu reeditar uma entrevista inédita e exclusiva com Suzane von Richthofen e sua companheira Sandra Regina Gomes (Sandrão) na penitenciária. A reportagem foi mantida em sigilo até para a direção da Record. Somente na última quinta-feira (19) é que a equipe da produtora de Gugu, a GGP, revelou ter uma hora de depoimento com as duas, o que gerou ciúmes dentro da Record, que batalha por uma entrevista com a parricida há dez anos.

Ao ver a entrevista editada pela GGP, Douglas Tavolaro, vice-presidente de Jornalismo da Record, resolveu confiscar o material bruto e o entregou para seus editores de confiança o finalizarem. A entrevista, que seria apresentada hoje à noite com cerca de 50 minutos, foi dividida em duas partes, que irão ao ar hoje e amanhã (26). Segundo fontes no programa, a nova edição deu à entrevista um tom sensacionalista, que Gugu vinha tentando evitar desde que gravou a reportagem, em 6 de fevereiro. Ao todo, o público verá uma hora e meia de entrevista.

Os chefes do jornalismo da Record estão com orgulho ferido porque a emissora está tentando a entrevista há dez anos, mas Suzane, condenada por assassinar os pais, nunca quis falar com a rede. Revoltados, jornalistas da Record estão espalhando o boato de que Gugu teria pago R$ 2 milhões pelos depoimentos, o que é negado pelos produtores.

A negociação com as presidiárias começou no ano passado. Despois que Suzane e Sandrão aceitaram falar pela primeira vez juntas com um programa de TV, a Secretaria de Administração Penitênciária e a direção do presídio de Tremembé (interior de São Paulo) tiveram de analisar os pedidos e autorizar a gravação.

Nela, Suzane fala da noite do crime e do relacionamento homossexual na cadeia. O conteúdo não tem como ser mudado, mas a edição vai estender ao máximo e fazer bastante suspense seguindo os moldes do jornalismo da Record.

Na GGP, alguns profissionais já pensam em pedir demissão. Outros dizem que não irão mais investir em boas reportagens por medo do "roubo" de conteúdo. A relação entre a produtora e o comando do jornalismo está para lá de estremecida.

 

Fonte: UOL / Por MÁRCIA PEREIRA, em 25/02/2015 · Atualizado às 08h38