JUSTIÇA ABSOLVE APRESENTADOR DO SBT POR OFERECER BANANA A INTERNAUTA NEGRO

JUSTIÇA ABSOLVE APRESENTADOR DO SBT POR OFERECER BANANA A INTERNAUTA NEGRO

A 10ª Vara Criminal da Justiça do Estado de São Paulo absolveu o humorista Danilo Gentili por oferecer bananas a um internauta negro no Twitter, em 2012. A sentença foi assinada na última quinta-feira (24) e encaminhada para despacho hoje (29).

O juiz Marcelo Matias Pereira não viu no tweet do humorista o animus injuriandi, ou seja, o propósito e intenção de ofender a vítima, o redator Thiago Ribeiro. "Não comprovado este animus, não há que se falar em crime contra a honra", sentenciou o juiz, que entendeu que "a abordagem [de Gentili] com seus seguidores, ainda que agressiva, tinha a intenção de fazer rir".

Para a Justiça, "seria necessário algo a mais do que uma piada grosseira e infeliz, vale dizer, um intuito de realmente ofender a vítima, desqualificando-a pela cor de sua pele, o que não ocorreu no caso em questão".

A ofensa não foi reconhecida pela Justiça porque, segundo o juiz, Thiago Ribeiro já se autointitulou "King King" no Twitter. "São pelo menos três mensagens que o ofendido dizia ser um 'King Kong', bem como que iria fazer o réu pagar por supostos crimes cometidos", diz a decisão judicial.

Apesar da absolvição, o juiz deu uma bronca em Danilo Gentili e disse para o humorista tomar cuidado com piadas que podem ser interpretadas como ofensa. "O réu tem que entender que há limites para as brincadeiras, ainda mais quando direcionadas a um indivíduo específico".

Em 1° de outubro de 2012, Danilo Gentili escreveu para Thiago Ribeiro no Twitter: "Quantas bananas você quer para deixar essa história para lá?". O redator sentiu-se ofendido, registrou boletim de ocorrência na Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância e processou o humorista por racismo.

Danilo Gentili explicou que estava sendo provocado por Ribeiro na rede social desde, pelo menos, 29 de setembro, com mensagens seguidas se autointitulando "macaco, preto, neguinho e King Kong".

Chama a atenção a sentença do juiz ter sido assinada três dias antes de o jogador Daniel Alves, do Barcelona, comer uma banana atirada por torcedores do Villareal, no domingo (27), pelo Campeonato Espanhol. A atitude ganhou apoio de famosos e da presidente Dilma Rousseff.