NOVELISTA DA GLOBO FAZ CRÍTICAS A PROGRAMAS POLICIAIS E DATENA DA BAND DETONA

NOVELISTA DA GLOBO FAZ CRÍTICAS A PROGRAMAS POLICIAIS E DATENA DA BAND DETONA

José Luiz Datena rebateu as críticas de Aguinaldo Silva, autor de novelas da Globo, aos programas policiais. Em entrevista ao jornalista Nilson Xavier do UOL, o dramaturgo disse que jornalísticos como "Brasil Urgente", da Band, e "Cidade Alerta", da Record", são um "circo trágico" que "abusam da miséria alheia".

Datena voltou a apresentar o "Brasil Urgente" nesta terça-feira (12), após narrar a Eurocopa, e abriu o programa fazendo duras críticas ao novelista. "Você é um palhaço que só escreve novela que só tem sacanagem", disparou.

"Esse Aguinaldo Silva é um bobalhão", continuou o jornalista, relembrando a época em que ancorou o "Cidade Alerta" na Record e era chamado de sensacionalista: "Se tem palhaço nesse circo é você, xará".

Mais tarde, Datena voltou a atacar Aguinaldo Silva: "Hoje não gosto tanto de programa de polícia, não. Se eu disser que gosto, não vou ser honesto. Agora, o programa de polícia apresenta a realidade que acontece no Brasil. Não é que nem aquele cara que escreve novela, aquele Aguinaldo Silva, diz que é circo. Circo é novela que ele faz, em que todo mundo transa com todo mundo, mulher do cara com o marido do outro, com os crimezinhos que ele fica fabricando lá. Isso é banalizar as relações sociais que arrebentam com a família".

"Hoje tem novela com traficante, idolatrando o crime. Sacanagem é esse tipo de novela, que esse outro imbecil desse escritor falou, na minha opinião. Ele deve achar que sou imbecil, palhaço de circo. Eu acho que ele é o palhaço do circo dele. Banalizar casos reais é inadmissível, não tem cabimento", disse, irritado. "De tanto o Brasil assistir novela, nós nos ferramos legal", finalizou.

Ao UOL, Aguinaldo Silva recordou o início da carreira como repórter policial no Rio de Janeiro e foi perguntado sobre programas de TV que exploram a violência. O autor de Roque Santeiro (1985), "Senhora do Destino" (2004) e "Império" (2014), entre outros sucessos, admitiu não ver esse conteúdo na televisão.

"Com todo respeito pelos jornalistas que fazem isso, alguns inclusive foram colegas meus, o Marcelo Rezende foi colega meu, fazia Esporte. Com todo respeito por eles, acho que tem na indignação deles, na maneira como eles falam dos bandidos, uma coisa fake, uma coisa falsa. É um circo, um circo trágico, porque abusa da miséria alheia. Confesso que não vejo porque não vai me acrescentar nada vendo aquilo", disse Aguinaldo.

 

Fonte: UOL